Aspectos Cristológicos da teologia paulina

04/07/2017

Por Mário Silva

Paulo é apaixonado, alma de fogo que se consagra sem limites a um ideal. Para Paulo Deus é tudo e ele o serve com lealdade absoluta primeiro perseguindo os que ele tem na conta de hereges (Gl 1.13; cf At 24,5-14) depois pregando Cristo, após haver entendido por revelação que só nele está a salvação (Bíblia de Jerusalém na introdução as epistolas de São Paulo). Paulo é o maior escritor do NT. Em( Fl 2:5-9). Paulo faz uma demonstração da pessoa de Cristo e em (1Cor 15:25) Ele apresenta Cristo como Rei escatológico. Paulo escreve de forma impressionante, em (Atos 22.5). Ele fala da sua origem, o que nos dá a garantia de tão vasto conhecimento do Judaísmo e tão grande zelo. Em (2 Cor 5:16) observamos que Paulo tinha uma visão humana de Cristo e que depois da revelação isto mudou. Em (Rm 1:3-4) ele apresenta a sua confiança na ressurreição de Cristo. Paulo leva a palavra de Cristo a grandes distancias convidando seus leitores e ouvintes ao amor ao próximo e à generosidade, apresentando Cristo como exemplo de desapego e renuncia de tudo para Si pelo amor aos outros. Ele não cessa de lembrar que Cristo é Deus e que tomou a forma de servo, tornando-se obediente até a morte, a morte da cruz. Cristo sendo cem por cento homem era cem por cento Deus, mas sendo homem nunca pecou e seu exemplo justificara a todos, diferente de Adão (Rm 5,12-18). Seus relatos não são só fruto de um conhecimento judaico e rabínico é fruto de uma experiência real, de um encontro pessoal com Cristo vivo que transformou sua vida. Por revelação me foi dado conhecer o mistério (At 9,1s; Ef 3,3), Cristo é o centro da reflexão de Paulo. Paulo escreveu 13 dos 27 livros do NT em forma de cartas. No inicio falei da formação Judaica de Paulo e do conhecimento rabínico, mas também era um grego em sua maneira de pensar e de ver o mundo, influenciado pela cultura helênica, pelas religiões gregas, literatura e filosofia e algumas ideias da sua época, porém o que Paulo escreveu estava em harmonia com o NT. E Paulo não mudou sua teologia depois de correr os anos, o que prova a orientação do Espírito Santo. A centralidade da mensagem de Paulo é o Reino de Deus.

Por Sérgio Roberto

O apóstolo Paulo em suas cartas, sejam elas as pastorais, deuteropaulinas ou as autênticas, ele com muita propriedade, escreveu tendo como base a sua experiência com o Cristo Ressuscitado a caminho de Damasco (AT9,3-19), quando o próprio Cristo lhe faz a pergunta "porque você me persegue? " E neste instante Paulo é chamado a conversão e a missão de JESUS que está vivo nas comunidades e este processo leva três dias, quando então através de Ananias ele recebe o Espírito Santo quando foi batizado, iniciando assim sua missão de testemunhar o Cristo Vivo e já então ocorrendo o primeiro aspecto Cristológico em sua caminhada que está cheio do Espírito Santo.

A partir desse evento, o apóstolo segue o seu caminho entre os pagãos e muito sofrimento pela causa de Cristo, que nunca o deixará sozinho, através do Espírito Santo ele desenvolve sua Teologia para levar às comunidades, algumas já existentes e outras por ele fundadas, centralizou sobre a Teologia na Salvação dos homens , prometida por Deus através de Jesus Cristo e a volta Dele a este mundo de maneira gloriosa, e para isso, ele em meio às comunidades eclesiológicas deixa sempre alguém de sua confiança à frente, mas preocupando-se com o acompanhamento para que o povo não se afastasse da teologia, lembrando sempre, qual deverá ser o destino final do homem e do mundo com discursos proféticos, levando a um comportamento moral e ético para não perder a salvação prometida e que deveria ser conquistada como exemplo de vida.

Podemos verificar em suas cartas, onde sempre nos fala da vinda de Jesus Cristo gloriosa e o único caminho para salvação, e que se deve esperar na perseverança na fé (Rm 8,25).

Ele não fala do nascimento e ações de Jesus Cristo, mas sim de um Jesus morto-ressuscitado, da sua Pré - existência (Fl 2,6), que foi enviado por Deus na plenitude dos tempos (Gl 4,4-5), foi morto na cruz, que no terceiro dia ressuscitou e deixou ensinamentos que deveriam ser seguidos, como o amor uns pelos outros que supera a Fé, a esperança e a lei que foi vivida por ele, durante um época da sua vida e que deveria ser resumida na lei de Jesus Cristo, " Amar o próximo como a ti mesmo" e que norteia outros ensinamentos como não julgar o irmão e não ser uma pedra de tropeço na vida de um irmão, levando-o a cometer pecado. Paulo não conheceu a Cristo, mas viveu uma experiência com o ressuscitado que o levou a pregar uma doutrina através do Evangelho de Jesus e sua obediência ao Pai até a morte e morte de cruz, para se cumprir o plano de salvação para os pecadores.

Paulo prega em seus escritos como viver e alcançar a plenitude de uma Salvação e fundando comunidades edifica a Igreja, tendo como fundamento Jesus Cristo, que se revelou através da sua vida, paixão e morte por meio da Eucaristia que se dá em alimento, para o fortalecimento daqueles que o seguiam. Apesar de ter recebido influência de três mundos de diferentes culturas que foram: Hebraico, Judeu e o Grego, seu conhecimento no Antigo Testamento ajudou-o a compreender e a compartilhar o projeto de Deus, a partir do seu filho Jesus Cristo, e em sua missão se utilizou de diversos aspectos Cristológicos como a Escatologia, Soteriologia, Pneumatologia e Eclesiologia, buscando sempre através delas levar as suas comunidades a ter uma vida moral e social de acordo, para que se alcançassem a plenitude da Salvação à partir da Ressurreição de Jesus depois da morte na Cruz, e sempre direcionando ao juízo final, e a salvação da alma, através da Fé e fidelidade a esta fé e isso dava por meio de missões nas comunidades e verdadeira coerência à celebração da Eucaristia (1Cor11,17-34), onde ele alerta para divisões existentes e comportamentos incoerentes diante do alimento que Cristo deixou para que se alcançasse a vida Eterna, e a celebração da Nova Aliança, que não deveria se resumir apenas ao culto, mas a participação no ato de Jesus na vida prática, e se a comunidade assim não entender, celebrar e viver estará celebrando a sua própria condenação.

Portanto o apóstolo Paulo, mesmo não tendo vivido junto com Jesus Cristo, transmite a humanidade que a Fé nas promessas de Cristo é o que nos leva a receber o Sacramento do Batismo e o Espirito Santo (pneumatologia) e viver este Sacramento em sua plenitude, com os olhos voltados à missão (missiologia), em busca da salvação Eterna, tendo como base a morte e ressureição de Cristo (soteriologia) no fim dos tempos (escatologia).Estes aspectos encontramos nas suas cartas, mesmo naquelas dirigidas aos pastores orientando para não se afastarem da teologia da Salvação.